Ensino Fundamental I

Preparando com Ensino de Qualidade

Ensino Fundamental I

O EF do CASJ tem como objetivo principal o pleno desenvolvimento das potencialidades intelectuais dos alunos, a capacidade de aprender, o despertar do gosto pelo conhecimento e o fortalecimento dos laços de solidariedade, dos princípios éticos, religiosos e de cidadania.

Os professores são qualificados e preparados para desenvolver a autonomia, a curiosidade e argumentação em seus alunos.

As crianças são estimuladas a desenvolver as competências que nortearão o caminho do aprendizado nos anos futuros. Além de uma educação sólida e de qualidade, a formação integral é priorizada e trabalhada com vivências e experiências do dia a dia.

Nesta fase, iniciamos a formalização do processo ensino aprendizagem. Noções conceituais são incorporadas ao repertório intelectual dos alunos.

O currículo é organizado por atividades que favorecem a utilização de diferentes linguagens, ampliação do vocabulário, interpretação e expressão crítica e reflexiva do mundo.

Portfólio

Horário de Aulas

1º Ano (Unidade III)
Manhã: 7h30min às 12h
Tarde: 13h30min às 18h

2º ao 5º Ano (Unidade I)
Manhã: 7h15min às 11h45min
Tarde: 13h15min às 17h45min

Equipe

Diretor

Padre Javier García Martínez

Vice Diretora

Maria Aparecida Pedro Bom

Gerente Administrativo

Vagner de Oliveira Garcia

Coordenadores Pedagógicos

Karina Martins Mendonça – Educação Infantil

Patricia Chelotti – Ensino Fundamental 1ª Fase

André Condes Ferreira – Ensino Fundamental 2ª Fase

Marcelo Veraldi Cabral – Ensino Médio

Proposta pedagógica

A proposta pedagógica do Ensino Fundamental I entende que o aluno de seis a dez anos possui características próprias do seu desenvolvimento que devem ser levadas em conta para uma aprendizagem significativa. Investigar, participar, questionar, relacionar, argumentar e interpretar são pressupostos básicos que fundamentam nossos objetivos educativos, inseridos em uma postura compromissada e disciplinada dos nossos educandos.

A equipe docente conta com professores pedagogos polivalentes e professores especialistas comprometidos em promover o desejo pelo conhecimento e a formação de valores que contribuam para o desenvolvimento da autonomia e da autoestima dos nossos alunos.

A formação do professor agostiniano é contínua e preocupa-se com a excelência no modelo de uma relação interpessoal saudável e construtiva.

O material didático adotado, bem como a estrutura física das salas de aula privilegiam, como recurso, a utilização de tecnologias em que o papel do professor é o de mediador do conhecimento.

O currículo está fundamentado na concepção de aprendizagem que contempla o desenvolvimento de competências e habilidades, a formação de conceitos, a constituição de valores e a adoção de atitudes.

Os conteúdos das disciplinas são tratados de modo contextualizado e não mecanizado para que o aluno estabeleça relações entre os objetos, as situações, os fenômenos e as pessoas, por meio de ações e operações, mobilizando, articulando e aplicando intencionalmente o conhecimento.

A avaliação é um acompanhamento sistemático do desempenho escolar do aluno e auxilia o professor a reorientar o seu planejamento visando ao desenvolvimento pleno da aprendizagem. A equipe docente está capacitada a fazer dessa experiência um momento tranquilo e prazeroso, contribuindo de forma positiva para toda vida escolar do aluno.

A Plataforma Totvs é uma ferramenta utilizada para ampliação dos conteúdos trabalhados auxiliando no processo de aprendizagem dos alunos.

A prática educativa privilegia o desenvolvimento socioafetivo dos alunos em todos os momentos da rotina escolar. Durante o recreio, os alunos são acompanhados por uma equipe de auxiliares pedagógicas preparadas para orientá-los nas questões que envolvem a socialização. Sugerem jogos cooperativos, resgatam brinquedos e brincadeiras antigas, medeiam situações de conflito próprias da idade, observam e estimulam os alunos à alimentação saudável que também é oferecida como opção aos pais pela cantina do colégio.

O desenvolvimento e o desempenho escolar são acompanhados por meio de entrevistas individuais com a professora e/ou orientadora educacional, sempre que as famílias ou a escola julgarem necessário, consolidando uma efetiva parceria na formação integral do aluno.

Localização

UNIDADE I

11 3465.5200

Rua Marquês de Abrantes, 365
São Paulo - CEP 03060-020

UNIDADE II

11 3465.5201

Rua Herval, 1019/1029
São Paulo - CEP 03062-000

UNIDADE III

11 2292.5907

Rua Antonio Teixeira, 53
São Paulo - CEP 03060-023

Newsletter

Cadastre-se e receba dicas e novidades.

Redes Sociais

Homenagem: Padre Serafín Martínez Gutiérrez

Padre Serafín Martínez Gutiérrez
(12/10/1925 – 04/11/1995)

Prefeitura do Município de São Paulo – Gabinete do Prefeito

Dispõe sobre denominação de Escola Municipal de Ensino Fundamental: Gilberto Kassab, Prefeito do Município de São Paulo no uso de suas atribuições que lhe são conferidas por lei, decreta:

Art. 1º – Fica denominada Escola Municipal de Ensino Fundamental Padre Serafín Martínez Gutiérrez a Escola Municipal de Ensino Fundamental Conjunto Habitacional Padre José de Anchieta, criado pelo Decreto nº 49.649, de 19 de junho de 2008, vinculada à Diretoria Regional de Educação da Penha da Secretaria Municipal de Educação.

O decreto do Prefeito de São Paulo é uma justa homenagem a quem de forma serena e digna, sempre esteve presente na missão agostiniana, não só no Brasil, onde teve reconhecida ação evangelizadora, como também na Espanha.

Padre Serafín nasceu em Castro de Cepeda (Província de León, na Espanha) em 12 de outubro de 1925. Foi ordenado sacerdote em 1949, e desembarcou no Brasil em 1954.

Após longa caminhada como sacerdote e educador, chegou ao Colégio Agostiniano São José em 1965. Aqui, lecionou, trabalhou em funções administrativas ao mesmo tempo que exercia o cargo de Conselheiro Superior do Vicariato da Província de Castela no Brasil. Em 1993, assumiu a Direção do Colégio Agostiniano São José. Gestão bastante breve, pois veio a falecer em 04 de novembro de 1995.

Apesar da experiência e dos extensos conhecimentos, era uma pessoa bastante acessível e humilde. Equilibrado nos julgamentos, nas palavras e nos gestos, deixou saudades nas comunidades religiosas e educativas que tiveram o privilégio de tê-lo como amigo sábio e prudente.

×
Homenagem: Padre Matías Boñar

Exemplo de dedicação a Deus e aos irmão

A Vida
Nascia em Ruiforco de Torio, León (Espanha), aos três dias do mês de fevereiro de 1909 o filho da Senhora Carmen González e Agustín Boñar, menino que receberia na pia batismal da Igreja São Julián, na mesma cidade, em cinco de fevereiro de 1909 o nome de Matías, Matías Boñar González. Mal sabiam seus pais, naquela ocasião, que aquele bebê tão querido tornar-se-ia o bom homem que seria por todos tão respeitado e amado.

Filho de família temente a Deus, Matías cresceu junto aos seus irmãos como uma criança normal, mas havia nele algo diferente, uma luz própria das pessoas predestinadas a uma existência voltada ao bem dos semelhantes e ao consolo dos corações sem esperança.

O tempo foi passando para o menino Matías, que, decidido a entregar-se à vida religiosa, consagrou-se à Nossa Senhora aos 15 anos de idade. Tece seu apostolado marcado pela imensa devoção que a Ela dedicava , levando a fé na Virgem às pessoas que buscavam bênçãos e conforto nas horas de infortúnio. Fez seus estudos de Filosofia e Teologia na cidade de Colahorra – Logroño (Espanha), ordenando-se sacerdote em 1931.

A partir daí veio construindo sua vida sacerdotal, sempre aprofundando seus conhecimentos evangélicos, buscando conhecer a essência da religião católica, levando por onde passasse a palavra de Deus, fazendo brotar nas pessoas o temor ao Pai e o amor ao próximo. Teve uma vida sacerdotal bastante ativa, não só em sua terra natal, como também no Brasil, vindo a ser um dos pioneiros na fundação do Vicariato Regional da Província de Castella, que conta atualmente com 71 anos de existência.

As Obras
A seguir vamos expor um breve relato das passagens mais significativas da vida sacerdotal de Padre Matías, embora por mais que se pretenda ser fiel, longe ficará de demonstrar, através de datas e fatos, o real valor e a grandiosidade das obras por ele realizadas.

1933 – 1939
Chega ao Brasil, em 03/02/1933, como integrante de um pequeno grupo de religiosos agostinianos da Província de Castella que, buscando ambiente mais propício à divulgação do trabalho de apostolado e educação (comprometidos na Espanha, devido a perseguição imposta aos religiosos pelo regime político vigente), aceitou o convite dos Padres Agostinianos Recoletos, que ofereceram paróquias regidas pela Arquidiocese de São José do Rio Preto. Coube, na época, ao jovem sacerdote Matías a Paróquia de Ariranha, que em condições precárias foi reformada e substituída posteriormente por uma nova igreja. Trabalho difícil que exigiu do religioso muito sacrifício e espírito de abnegação, dada a dificuldade financeira para tal empreitada. Em 1939, volta à Espanha e, na cidade de Calahorra, desempenha as funções de Administrador, Conselheiro de Província, Mestre em Teologia e Professor de Moral no Seminário da cidade, permanecendo assim até 1951.

1951 – 1957
Em 1951, retorna ao Estado de Goiás como Vicário Geral, exercendo, na época a função de Pároco da Cidade de Jataí. Três anos mais tarde assumiu as mesmas funções na Paróquia de Rio Verde. Paralelamente, embrenhou-se pelo interior do Estado como missionário. Vida difícil e cheia de desafios, mas com garra foi vencendo as distâncias, às vezes empoeiradas, às vezes lamacentas, a cavalo ou em ônibus de precárias condições, que aos solavancos chegava a lugarejos carentes de assistência de sacerdotes. Ali, além das palavras do evangelho, levava os Sacramentos e orientações gerais, deixando, quando partia, pessoas agradecidas e cheias do Espírito Santo.

1957 – 1967
Como a comunidade de religiosos agostinianos era pequena no Brasil, houve a unificação do Viacariato de Goiás com o de São Paulo, centralizando na Capital Paulista, em uma só sede as atividades religiosas, partindo dela as orientações para outras cidades. Assumiu assim o cargo de Superior do Vicariato nesta nova fase, período bastante trabalhoso para o homem empreendedor, que teve sob sua responsabilidade duas grandes propostas, apesar da situação financeira bastante adversa na ocasião:

O início da construção da Paróquia São Carlos Borromeu, projeto arrojado e de dimensões grandiosas, bem de acordo com o porte da Comunidade do Belém.

A construção do Colégio Agostiniano São José, que representou a marca do Apostolado Agostiniano de Ensino na Comunidade Paulistana.

O imóvel escolhido foi o prédio da Indústria “Moinho Santista”, localizado à Rua Marquês de Abrantes, 365. As primeiras negociações foram infrutíferas. Anos mais tarde, sob os cuidados do Padre Matías, reiniciaram-se as negociações. Com paciência, perseverança e fé em São José, a transação efetivou-se em condições especiais, bem acessíveis iniciando-se assim as reformas para adaptação do imóvel em escola, que desde 1960 não parou de crescer.

1967 – 1969
Retorna a Goiânia exercendo o cargo de Vigário Paroquial, voltando a São Paulo em 1969, onde se estabelece até 2004, trabalhando com muita dedicação em todos os setores em que era solicitada sua presença. Padre Matias desempenhou com a mesma garra e dedicação tanto funções que exigiam voz de comando como as mais simples, sem nunca esmorecer e com bastante humildade.

1969 – 1973
Superior do Centro Agostiniano, quando dirigiu, como Diretor Espiritual, os Cursilhos de Cristandade e várias atividades pastorais em São Paulo.

1973 – 1978
Reitor do Seminário Agostiniano Santo Agostinho em Bragança Paulista.

1978 – 1981
Superior e Vigário Paroquial do Santuário Santo Antônio em Campinas.

1982 – 1985
Vigário Paroquial da Paróquia São Carlos Borromeu em São Paulo.

1986 – 1989
Vigário Paroquial do Santuário Santo Antônio.

1989 – 1993
Trabalho pastoral no Colégio Agostiniano Mendel.

1993 – 1996
Vigário Paroquial, trabalhando com a pastoral dos enfermos e famílias da Paróquia São Carlos Borromeu.

1996 – 2000
Trabalho pastoral de assistência aos enfermos e famílias do Colégio Agostiniano São José.

2000 – 2004
Administrador do Colégio Agostiniano São José, sempre atendendo à pastoral dos enfermos e famílias, sua atividade prioritária.

×
Jubileu – Homenagem Câmara Municipal de SP

Colégio Agostiniano São José é homenageado

A Câmara Municipal de São Paulo, dia 19 de Março, conferiu ao Colégio Agostiniano São José uma homenagem pelo seu Jubileu de Ouro.

Momento emocionante que reuniu a Comunidade Educativa de cinco décadas. Pessoas que testemunham mais um momento histórico na trajetória do Colégio.

×
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA.

Fazer download deste conteúdo

×
5 DICAS PARA ESCOLHER A ESCOLA PARA SEUS FILHOS.

Fazer download deste conteúdo

×
A Relação Família e Escola

Fazer download deste conteúdo

×
High School Program

Fazer download deste conteúdo

×
Educação Infantil

30/01/2017

Reunião de Pais e Mestres (sem a presença dos alunos)

ALUNOS VETERANOS

31/01/2017 – Início da Adaptação

  • Manhã e Semi-Integral Manhã: 7h30min às 9h
  • Tarde e Semi-Integral Tarde: 13h30min às 15h
  • Integral: 7h30min às 14h

 

01/02/2017 – Adaptação

  • Manhã e Semi-Integral Manhã: 7h30min às 9h
  • Tarde e Semi-Integral Tarde: 13h30min às 15h
  • Integral: 7h30min às 14h

 

02 e 03/02/2017 – Adaptação

  • Manhã e Semi-Integral Manhã: 7h30min às 9h
  • Tarde e Semi-Integral Tarde: 13h30min às 15h
  • Integral: 7h30min às 18h

ALUNOS NOVOS

31/01/2017 – Início da Adaptação

Módulo 1: Horário entregue pela orientação na 1ª reunião

  • Manhã e Semi-Integral Manhã: 10h às 11h30min
  • Tarde e Semi-Integral Tarde: 15h30min às 17h
  • Integral:
    Módulo 1: Horário entregue pela orientação na 1ª reunião
    Módulo 2 / 3 / 4: 10h às 14h

 

01/02/2017 – Adaptação

Módulo 1: Horário entregue pela orientação na 1ª reunião

  • Manhã e Semi-Integral Manhã: 10h às 11h30min
  • Tarde e Semi-Integral Tarde: 15h30min às 17h
  • Integral:
    Módulo 1: Horário entregue pela orientação na 1ª reunião
    Módulo 2 / 3 / 4: 10h às 14h

 

02 e 03/02/2017 – Adaptação

Módulo 1: Horário entregue pela orientação na 1ª reunião

  • Manhã: 10h às 12h
  • Semi-Integral Manhã: 10h às 14h
  • Tarde e Semi-Integral Tarde: 15h30min às 18h
  • Integral:
    Módulo 1: Horário entregue pela orientação na 1ª reunião
    Módulo 2 / 3 / 4: 10h às 18h
×
Ensino Fundamental I

30/01/17 – Reunião de Pais e Mestres

ALUNOS VETERANOS E NOVOS

30/01/17 – Início do Ano Letivo

  • Ensino Fundamental I (1º Ano) – UNIDADE III
    Os alunos entrarão e sairão junto com os pais no horário da reunião e deverão estar uniformizados.
    Manhã: 10h30 às 11h30 – Tarde: 16h30 às 17h30
  • Ensino Fundamental I (2º ao 5º Ano) – UNIDADE I
    Os alunos terão uma aula inaugural e cumprirão o horário regular.
    Manhã: 7h15 às 11h45 – Tarde: 13h15 às 17h45

 

31/01/17 – Início das Aulas – Período Normal

  • Ensino Fundamental I (1º Ano)
    Manhã: 7h30 às 12h – Tarde: 13h30 às 18h
  • Ensino Fundamental I (2º ao 5º Ano)
    Manhã: 7h15 às 11h45 – Tarde: 13h15 às 17h45

 

×
Ensino Fundamental II

ALUNOS VETERANOS E NOVOS

30/01/17 – Início do Ano Letivo

  • Ensino Fundamental II (6º ao 9º Ano)  
    Os alunos terão uma aula inaugural das 7h às 9h30

 

31/01/17 – Início das Aulas – Período Normal

  • Ensino Fundamental II (6º ao 9º Ano)
    Manhã: 7h às 12h10

Observação: A reunião com os pais será marcada posteriormente pelos Orientadores.

×
Ensino Médio

ALUNOS VETERANOS E NOVOS

30/01/17 – Início do Ano Letivo

  • Ensino Médio (1ª a 3ª Série) Os alunos terão uma aula inaugural das 7h às 9h30

 

31/01/17 – Início das Aulas – Período Normal

  • Ensino Médio (1ª a 3ª Série)
    Manhã: 7h às 14h

Observação: A reunião com os pais será marcada posteriormente pelos Orientadores.

×
Ensino Médio

×